sábado, 4 de julho de 2020

Pandêmica Coletivo Temporário de Criação

"12 Pessoas Com Raiva" /
Um júri é convocado a se apresentar online, por conta da pandemia do coronavírus, e deve chegar a um veredito unânime sobre um assassinato envolvendo pai e filho. 12 atrizes e atores ao vivo numa experiência criada durante a quarentena.
Reestreia dia 07 de Julho
Temporada às Terças (7, 14, 21 e 28 de Julho) às 20h
.
"Roda ou Live de 3 Amigos" /
Adaptação do poema "Fábula e Roda de Três Amigos", do romancista Frederico Garcia Lorca, a experiência é uma analogia a morte do próprio autor e explora a relação da pandemia do COVID-19 com o atual facismo nacional. Uma parceria Infoteatro e Pandêmica.
Únicas Apresentações: Dias 8 e 9 de Julho às 22h
Transmissão pelo instagram @pandemicacoletivo.
.
"Discurso Sobre Nada" /
A experiência revela uma atriz que, confinada em sua casa, explora as múltiplas realidades possíveis daquele espaço e busca dar continuidade ao seu ofício, se desafiando dentro de novas configurações e estados de presença.
Reestreia dia 12 de Julho
Curta Temporada aos Domingos (Dias 12 e 19 de Julho) às 18h.
"Safe & Confort" /
Seis personagens tentam salvar seus relacionamentos, a sanidade, ou mesmo a própria vida, arriscando fugir para o único lugar que parece seguro e confortável: o futuro. Enquanto isso, a última live do canal “Papo de Pandemia” promete bombar. A parceria entre os coletivos Carranca e Pandêmica tem supervisão dramatúrgica de Henrique Fontes, do Grupo Carmin (RN), direção musical de Felipe Storino e é uma experiência totalmente criada na pandemia. O projeto foi contemplado pelo edital de emergência do Estado do Rio de Janeiro "Cultura Presente nas Redes".
Estreia dia 20 de Julho
Segundas (20 e 27 de Julho) às 20h
.
EM AGOSTO:
"Museu dos Meninos - Arqueologias do Futuro" /
A experiência consiste em uma série de visitas guiadas online ao acervo do museu virtual homônimo (mediadas pelo idealizador Mauricio Lima com a presença de um convidado especial) e apresentações da performance Museu dos Meninos através da plataforma ZOOM em parceria com o Pandêmica Coletivo de Criação.
.


Estamos com bastante procura de público e as exibições costumam lotar bastante rápido. Se te interessar estar conosco, fala comigo no whatsapp e a gente combina de já reservarmos seu lugar. 


Juracy de Oliveira
Ator, Diretor e Produtor
+55 21 9 8134-3333

quarta-feira, 1 de julho de 2020


14º Prêmio APTR de Teatro - 2019

AUTOR
LEONARDO NETTO (3 MANEIRAS DE TOCAR NO ASSUNTO)

DIREÇÃO
MIWA YANAGIZAWA (NASTÁCIA)
RODRIGO PORTELA (AS CRIANÇAS)

CENOGRAFIA
RONALDO FRAGA (NASTÁCIA)

FIGURINO
GABRIEL VILLELA (ESTADO DE SÍTIO)

ILUMINAÇÃO
ANNA TURRA, CAMILA SCHMIDT E ROGÉRIO VELLOSO (MERLIN E ARTUR: UM SONHO DE LIBERDADE)
RENATO MACHADO (3 MANEIRAS DE TOCAR NO ASSUNTO)

MÚSICA
CESAR LIRA E ANDRÉ MUATO (OBORÓ - MASCULINIDADES NEGRAS)


ESPETÁCULO
A COR PÚRPURA, O MUSICAL
ESTADO DE SÍTIO

DIREÇÃO DE MOVIMENTO/ CENOGRAFIA
SUELI GUERRA (A COR PÚRPURA, O MUSICAL)
VALÉRIA MONÃ (OBORÓ - MASCULINIDADES NEGRAS)

ATOR COADJUVANTE
ALAN ROCHA (A COR PÚRPURA, O MUSICAL)

ATRIZ COADJUVANTE
PATRÍCIA SELONK (ANGELS IN AMERICA)

ATOR PROTAGONISTA
GILBERTO GAWRONSKI (A IRA DE NARCISO)

ATRIZ PROTAGONISTA
ANALU PRESTES (AS CRIANÇAS)
LETÍCIA SOARES (A COR PÚRPURA, O MUSICAL)

ESPECIAL
MOVIMENTO TEATRO NEGRO DO RIO DE JANEIRO – APRETA


PRODUÇÃO
A COR PÚRPURA, O MUSICAL

JOVEM TALENTO – TROFÉU MANOELA PINTO GUIMARÃES
RAFAEL TELLES (O DESPERTAR DA PRIMAVERA)

domingo, 17 de maio de 2020




Coletivo de teatro inova em apresentação
ao vivo pelo Instagram
Clube da Cena Lives, idealizado por Cristina Fagundes, traz cenas diárias de ficção que podem ser dirigidas pelo público durante a live
Nesse novo tempo em que o mundo virtual se torna cada vez mais importante no meio de uma pandemia, o Clube da Cena - coletivo de autores, atores, diretores e músicos que completa 12 anos esse ano, criado por Cristina Fagundes - revoluciona a forma de se fazer teatro. É o Clube da Cena Lives, com cenas diárias de ficção no perfil do Instagram do grupo, que podem ser dirigidas pelo público durante a live. São textos criados especialmente para a plataforma, levando em conta seu caráter de interatividade e o fato de ser o vivo. A temporada acontece de 18 de maio a 26 de junho, de segunda a sexta às 22h, totalizando 40 apresentações e sempre com um tema por semana. O da estreia, naturalmente, será isolamento social. Estão, entre os integrantes da primeira semana de esquetes, a premiada autora Regiana Antonini e o diretor João Rodrigo Ostrower.
“Devido ao momento de isolamento, desta vez vamos criar na segurança de nossas casas, fazendo cenas curtinhas de ficção nas lives, com dois atores por dia. Assim, continuamos criando e refletindo sobre o momento atual que estamos passando e poderemos mostrar um pouco o que tem sido o dia a dia de todos nós durante essa fase de isolamento. E a cereja do bolo vai ser a interação com o público, que vai poder dirigir as cenas durante as lives. Queremos essa troca, estamos todos muito solitários. Queremos promover reflexão e também divertir o público, interagir com ele”, diz a idealizadora e diretora geral do projeto, Cristina Fagundes.
Como funciona:
Cada live terá a duração aproximada de 30 minutos, será escrita por um autor e realizada por uma dupla de atores e um diretor, todos integrantes do Clube. Durante a live, que será transmitida tanto pelo story do @clubedacena como pelo story do outro ator da vez,, a cena de dois minutos será apresentada quatro vezes. A primeira será como foi ensaiada (o que chamamos de cena original). Na segunda vez, seguirá algum comando de EMOÇÃO ou INTENÇÃO dado pelo público na hora. Na terceira vez, seguirá algum comando de AÇÃO FÍSICA, ESPACIAL (DESLOCAMENTO - ENQUADRAMENTO), OU TEMPORAL (RITMO – MAIS RÁPIDO, MENOS). Na quarta vez, vai contar com  DIREÇÃO ABERTA DO PÚBLICO, ou seja, vale tudo (menos alterar texto) e a direção desta vez acontece com a cena em andamento. Nesta última versão, os comentários continuarão a aparecer, pois a direção irá sendo dada pelo público ao longo da cena.
Ao final das apresentações, o público vai escolher a variante da cena original que preferiu.  A cada domingo, o conjunto das cenas originais e das variantes, que foram escolhidas pelo público presente nas lives, vai ser postado no canal do Clube de Cena no Youtube e o link do vídeo será postado no Facebook do coletivo.
O autor terá uma semana para escrever a cena de dois minutos e os atores terão outra semana para estudar o texto e ensaiar. A classificação indicativa das lives é de 16 anos. Ao final de cada apresentação, estará disponível o número de uma conta para quem quiser fazer uma contribuição.  
Veja a programação da primeira semana, sempre às 22h (@clubedacena):
Segunda 18 de maio
Texto: Fantasias de Casal, de Cristina Fagundes
Com: Alexandres Barros e Cristina Fagundes
Direção: João Rodrigo Ostrower
Terça 19 de maio
Texto: A Mostra, de Regiana Antonini
Com : Ana Paula Novellino e Stella Brajterman
Direção: Raul Franco
Quarta 20 de maio
Texto: Muro, de Ivan Fernandes
Com: Ricardo Gonçalves e Flávia Espírito Santo
Direção: Pedro Struchiner
Quinta 21 de maio
Texto: Verônicas de Verdade, de Vinnicius Morais
Com: Priscila Assum e Cristina Pompeu
Direção: Carmen Frenzel
Sexta 22 de maio
Texto: Delay, de Fabrício Branco
Com: Mariana Consoli e Dig Dutra
Direção: Charles Daves

Sobre o Clube
O Clube da Cena é um coletivo de cerca de 50 artistas entre atores, autores, músicos e diretores que se reúne a cada um ano ou dois para criar e estrear uma nova peça por semana ao longo de dois meses, através do sorteio de equipes de trabalho. Toda noite é uma estreia, com apresentação única. Uma verdadeira gincana teatral.
O Clube começou em 2008 e por ele já passaram os maiores nomes da nova dramaturgia carioca, como Jô Bilac, Fabio Porchat, Leandro Muniz, Renata Mizrahi e Rodrigo Nogueira, além de grandes comediantes, como Luis Lobianco (Porta dos Fundos) e Mariana Santos e profissionais tarimbados como a diretora Susanna Kruger, o palhaço Márcio Libar, entre outros. Desde sua formação, já foram criados e encenados cerca de 300 novos esquetes de teatro que estão armazenados em nosso banco de textos, além de cenas que podem ser vistas no Youtube, constituindo um importante acervo de nova dramaturgia.
A cada temporada um novo estímulo serve como inspiração para a criação das cenas. Já foram criados textos inspirados em temas (como amor e inveja), em manchetes de jornal, em músicas dos grandes nomes da MPB, em postagens das redes sociais e em ditados populares.
Sobre a idealizadora e diretora geral do coletivo
Cristina Fagundes
Atriz, autora e diretora em mais de 20 peçasIndicada por sua peça A Vida ao Lado, ao Prêmio Shell 2019 como Melhor Diretora e também ao Prêmio Cesgranrio 2019 como Melhor Autora. Roteirista contratada para os programas do Multishow: Baby e Rose (2019 e 2018),Treme Treme (2019 e 2017) e Xilindró (2018).  É Diretora Geral, atriz e autora no projeto de nova dramaturgia Clube da Cena, indicado pelo Globo, para o qual já teve encenados cerca de 52 esquetes, desde 2008. Foi autora na peça Assim como Nós, com direção de Cláudio Torres Gonzaga, em janeiro e fevereiro de 2016 no Teatro Leblon. Foi autora na peça Igual a Você (2012) - direção de Ernesto Piccolo, com Camila Morgado, no Teatro Leblon. Indicada no Festival Internacional de Humor (2008) como melhor autora. Em 2012, foi Jurada do Prêmio Luso-Brasileiro de Dramaturgia, a convite do Ministério da Cultura e Menção Honrosa de Dramaturgia do Festival de Niterói. Escreveu sete peças, entre elas as elogiadas Felicidade, em cartaz no SESC TIJUCA, Casa da Gávea e Maria Clara Machado (2012/13) e a peça No Táxi (2013), que acontecia num táxi real em movimento pelas ruas do Rio. Indicada na categoria Melhor Texto no Festival de Cenas Curtas Online da Fetaerj 2020.
Serviço
CLUBE DA CENA LIVES – CENAS DE FICÇÃO AO VIVO NO INSTAGRAM
 Temporada: 18 de maio a 26 de junho 
Local: story do @clubedacena
Telefone para Informações: (21) 99666-9954
Dias: Segunda a sexta às 22h
Ingressos: contribuição consciente - ver dados bancários na bio do @clubedacena
Classificação: 16 anos. 
Duração: As lives duram cerca de 30 minutos

CLUBE DA CENA LIVES – FICHA TÉCNICA COMPLETA
IDEALIZAÇÃO, DIREÇÃO GERAL e de PRODUÇÃO
Cristina Fagundes
AUTORES
Cristina Fagundes,  Ivan Fernandes, Fabrício Branco, Vinnicius Morais e Regiana Antonini
ATRIZES
Flavia Espirito Santo, Ana Paula Novellino, Priscila Assum, Mariana Consoli, Bia Guedes, Mabel Cezar, Cristina Fagundes, Mariana Costa Pinto,  Dig Dutra, Cristiana Pompeo, Stella Brajterman, Veronica Rocha, Monique Vaillé e Paula Alexander.
ATORES
Kakau Berredo, Marcelo Cavalcanti, Carlos Neiva, Marcelo Lima, Alexandre Barros, Claudio Amado, Zé Auro Travassos, Igor Paiva, Rico Gonçalves, Gustavo Barros, Marcelo Dias, Roberto Rodrigues, Renato Albuquerque, Rohan Baruck
DIRETORES
Carmen Frenzel, João Rodrigo Ostrower, Raul Franco, Pedro Struchiner, Fernando Melvin, Alexandre Bordallo, Charles Daves, Daniel Leuback, Verônica Reis, Leticia Prisco, Carolina Godinho, Ana Paula Lopes
ASSISTÊNCIA DE PLANEJAMENTO
Flavia Espirito Santo
PROGRAMAÇÃO VISUAL
Ivison Spezani
CONSULTORIA DE REDES SOCIAIS
Tatiana Borges – Agência e-Plan
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO
Dobbs Scarpa
EDIÇÃO DE VÍDEOS
Raul Franco
REALIZAÇÃO
Fagundes Produções

terça-feira, 31 de março de 2020



​Amados e amadas,

A cada dia que passa e nós seguimos bem,

é uma vitória nossa e uma derrota da doença.
Ou seja: um dia a mais para nós equivale
a um dia a menos para ela.

E também acho oportuno relembrar um fato histórico.


Em dado momento, durante a Segunda Guerra Mundial, a Inglaterra estava sendo impiedosamente bombardeada pelas famigeradas V2 alemãs. E dada a virulência e constância dos ataques, tudo sugeria que a Inglaterra haveria de se render. Pois bem: o então Primeiro Ministro inglês, Winston Churchill, falou o seguinte à nação, através do rádio:


"Nós lutaremos nas praias, nas cidades, nas vilas e em todo o nosso país. E jamais, jamais nos renderemos!!!"


E a Inglaterra, flagelada, faminta e semi-destruída, não se rendeu.


E por que não se rendeu? Porque jamais deixou de acreditar que todo aquele horror haveria de passar, desde que todos permanecessem unidos e solidários, e todos possuídos da mesma certeza de que um dia o sol haveria de brilhar novamente, claro e límpido como ocorre nas manhãs de primavera.


Agora, no entanto, como todos vocês sabem, não se trata de uma guerra convencional, mas de um outro tipo de guerra contra um único inimigo comum, o famigerado corona vírus. Todas as nações, independentemente de suas ideologias, estão empenhadas não apenas em lutar com suas próprias forças e recursos, mas também em se ajudarem umas às outras. E esta é a grande lição que essa pandemia está nos dando: que temos que ser solidários, temos que pensar no outro, temos que finalmente compreender que está em causa a nossa sobrevivência e a sobrevivência do planeta que habitamos. Portanto, todos nós temos a nossa parcela de responsabilidade, a nossa cota de contribuição, por mais ínfima que pareça. 


Enfim...desejo que todos vocês estejam se cuidando e aproveitando esse momento de crise para um mergulho em si mesmos, para uma reflexão sobre o que vocês têm sido e sobre tudo que podem vir a ser. Se nos recusamos a refletir sobre nosso passado, estaremos condenados a repeti-lo. Se eu me recuso a pensar sobre o que eu fui, eu o serei sempre. Assim, acho bastante provável que, ao final desta pandemia, todos nós estaremos mais amadurecidos e plenamente convictos de que nossa felicidade tem que estar atrelada à do outro. Vamos lembrar a oração do Teatro?


Eu ponho minha mão na sua.

Eu junto meu coração ao seu.
Para que eu possa conseguir com você
O que eu jamais conseguiria sozinho.

MERDA!!!!


Que Deus abençoe,

proteja, e nos faça a todos
muito felizes!!!

um beijo no coração e na alma de todos vocês!!!


Lionel

quarta-feira, 11 de março de 2020

Teatro/CRÍTICA

"A esperança na caixa de chicletes ping pong"

.......................................................
Brasil: ame-o e fique!



Lionel Fischer




"Inspirado na obra poético-musical de Zeca Baleiro, o texto de Clarice Niskier faz uma declaração de amor à cultura popular brasileira. Reunindo 59 músicas de Zeca Baleiro (trechos e íntegras) a fragmentos de textos de Sergio Buarque de Holanda, Ferreira Gullar, Eduardo Galeano, Hélio Pellegrino e Oswald de Andrade e temas livremente inspirados nos livros do historiador Yuval Harari (autor de Sapiens: uma breve história da humanidade), Clarice Niskier cria um roteiro teatral de suas memórias político-sociais. A peça é uma espécie de "fico" de Clarice Niskier, que expõe, poética e dramaturgicamente, suas razões para abraçar o Brasil, ao invés de deixá-lo".

Extraído do ótimo release que me foi enviado por João Pontes e Stella Stephany (além de ótimo, o mais alentado que já recebi em 30 anos de crítica teatral - 12 páginas!), o trecho acima sintetiza as premissas fundamentais de "A esperança na caixa de chicletes ping pong", que após cumprir temporada em São Paulo, está em cartaz no Teatro Petra Gold. Clarice Niskier responde pelo texto, interpretação e direção geral, cabendo a Amir Haddad a supervisão de direção.

Por razões óbvias, o tempo sombrio que se abateu sobre o país - e em especial no que se refere à Cultura - tem levado incontáveis brasileiros a deixá-lo. Aos que quiseram, mas não conseguiram se exilar, restam duas opções: aqui permanecer passivo e mudo, ou encontrar alguma forma de resistir à barbárie que hoje faz parte do nosso cotidiano. É claro que existem muitas formas de resistência, mas não hesito em afirmar que uma das mais poderosas se dá através da arte. No presente caso, estamos diante de um evento que protesta energicamente contra a nossa atual e amarga realidade, contrapondo ao ódio generalizado fartas doses de humor e poesia. 

Clarice Niskier está completando 40 anos de carreira. E já era uma atriz maravilhosa muito antes de estrear o fenômeno "A alma imoral", há 14 anos em cartaz - nesse meio tempo, criou também "A lista". E além de excelente intérprete, jamais esteve engajada  em projetos fúteis, que nada fazem além de conspurcar o palco. Ou seja: afora seus notáveis predicados técnicos, Clarice é uma artista que pensa e não apenas sobre suas questões pessoais, mas também sobre o contexto em que vive. E por isso encontrou em Zeca Baleiro um parceiro ideal, posto que ele também se posiciona como artista da mesma forma. 

Com relação ao texto, belíssimo, quase todo escrito em versos, ele nos permite um amoroso, sério e divertido olhar para nós mesmos, e para um Brasil que talvez ainda possa ser resgatado. São muitos os temas abordados, sempre pertinentes e trabalhados de tal forma que nos tocam, simultaneamente e com igual potência, a razão e o coração. E o mesmo se dá com relação ao espetáculo, que dispensa inócuas mirabolâncias formais e prioriza o encontro de Clarice com o espectador, que em poucos minutos se converte em cúmplice de tudo que lhe é generosamente ofertado.

Com relação à equipe técnica, parabenizo com o mesmo entusiasmo as preciosas colaborações de todos os profissionais envolvidos neta bela e mais do que oportuna empreitada teatral - Zeca Baleiro (direção musical), Xarlô (criação, confecção e ressignificação do manto vermelho de Zeca Baleiro e adereçamento dos instrumentos), Aurélio de Simoni (Iluminação), Kika Lopes (figurino), Luís Martins (cenário), Rose Gonçalves (preparação vocal), Mary Cunha (preparação corporal), Fernando Santana (confecção da Esperança), Javier Pared (confecção do Boneco), Toninho Lobo e Fernando Santana (adaptação do Boneco para o xaxado), Bethi Albano (pesquisa de sonoridades instrumentais) e Marcus Azevedo (pesquisa coreográfica, Dança Charme).

A ESPERANÇA NA CAIXA DE CHICLETES PING PONG - Texto, interpretação e direção geral de Clarice Niskier. Supervisão de direção de Amir Haddad. Teatro Petra Gold. Sexta a domingo às 20h.

segunda-feira, 2 de março de 2020



Caros amigos e colegas,
Retornamos ao FÓRUM DE PSICANÁLISE E CINEMA nesse primeiro semestre de 2020 com títulos escolhidos que, certamente, proporcionarão instigantes trocas de ideias e debates vigorosos. Como sempre, analisaremos e discutiremos os filmes em seus múltiplos aspectos e prismas diversos. Aguardamos todos vocês e contamos com a divulgação aos amigos e aos interessados no viés cultural e psicanalítico. Um grande abraço, Ana Lúcia de Castro e Neilton Silva.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO/PROEXC/ESCOLA DE TEATRO)
&
SOCIEDADE PSICANALÍTICA DO RIO DE JANEIRO (SPRJ)
APRESENTAM:
FÓRUM DE PSICANÁLISE E CINEMA
PROGRAMAÇÃO DE 2020-1
FILMES ANALISADOS PELO PSICANALISTA: DR. NEILTON DIAS DA SILVA
E PELA MUSEÓLOGA DA UNIRIO: PROF. DRA. ANA LÚCIA DE CASTRO.
27/03 – HISTÓRIA DE UM CASAMENTO (MARRIAGE STORY, 2018, 137 min.)
DIREÇÃO: NOAH BAUMBACH
Sinopse: Nicole e seu marido Charlie estão passando por muitos problemas e decidem se divorciar. Ambos concordam em não contratar advogados para tratar do caso, mas ela muda de ideia após receber a indicação de uma especialista no assunto. Surpreso com a decisão, ele precisa encontrar um advogado para cuidar da custódia do filho, o pequeno Henry.
24/04 – HALA (Hala, 2018, 94 min.)
DIREÇÃO: MINHAL BAIG
Sinopse: Nascida nos EUA, a adolescente Hala pertence a uma família paquistanesa e muçulmana conservadora que a cria com ensinamentos tradicionais desde a infância. No entanto, ela acaba se apaixonando pelo vizinho e agora terá que achar uma maneira de lidar com seus pais.
29/05 – O ANJO EXTERMINADOR (El ángel exterminador, 1962, 96 min.)
DIREÇÃO: LUIS BUÑUEL
Sinopse: Depois de uma festa de gala, os convidados, por uma razão inexplicável, não conseguem deixar o local. Conforme as horas e os dias vão passando, as máscaras e as convenções sociais começam a ruir, revelando o lado oculto de cada pessoa.
26/06 – CADÊ VOCÊ, BERNADETTE? (Where'd You Go, Bernadette? 2017, 115 min.)
DIREÇÃO: RICHARD LINKLATER
Sinopse: Antes de viajar com sua família para a Antártica, uma arquiteta que sofre de agorafobia - o medo de estar em lugares abertos ou em meio a multidões - some sem deixar pistas. Sua filha, através de emails, cartas e documentos, tenta descobrir para onde sua mãe foi e quais foram as razões de seu desaparecimento.
SERVIÇO:
SEMPRE ÀS ÚLTIMAS SEXTAS-FEIRAS DO MÊS, DAS 18h ÀS 22h.
LOCAL – SALA VERA JANACOPOLUS / REITORIA DA UNIRIO
ENDEREÇO - AVENIDA PASTEUR, 296 – URCA.
ENTRADA FRANCA E ESTACIONAMENTO.
FILME: 18h; ANÁLISES E DEBATE: 20h ÀS 22h
PEQUENO HISTÓRICO DO FÓRUM DE PSICANÁLISE E CINEMA:
CRIADO PELOS PSICANALISTAS: DR. WALDEMAR ZUSMAN E DR. NEILTON DIAS DA SILVA, A PARTIR DE 2004 PASSA A CONTAR COM A PARTICIPAÇÃO DA MUSEÓLOGA E PROFESSORA DA UNIRIO, DRA. ANA LÚCIA DE CASTRO, RESPONSÁVEL PELA PESQUISA, DIVULGAÇÃO E ANÁLISE CULTURAL DOS FILMES.  COM A PARCERIA: UNIRIO – PROEXC - ESCOLA DE TEATRO E SPRJ, O PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA MANTÉM UMA REGULARIDADE HÁ MAIS DE ONZE ANOS, TORNANDO-SE UM EVENTO MUITO CONCORRIDO, COM UM PÚBLICO FIEL E PARTICIPATIVO.
INFORMAÇÕES: forumpsicinema@gmail.com