quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Teatro/CRÍTICA

"Jazz do coração"

....................................................................
Comovente e emocionante tributo



Lionel Fischer



Muito já se escreveu sobre a obra de Ana Cristina César (1952-1983), em minha opinião não apenas uma das maiores poetas de sua geração, mas de todas as gerações. E como sou um admirador apaixonado de suas poesias, tive a tentação de falar um pouco sobre elas. No entanto, achei mais sensato recorrer a um especialista (no caso, uma especialista), que certamente reúne muito mais condições do que eu para resumir o que de mais essencial está contido nos escritos desta poeta de exceção. O trecho abaixo, de autoria de Arminda Silva de Serpa, foi extraído de "Lições sobre asas e abismos; uma leitura da poesia de Ana Cristina César":

"Os poemas de Ana Cristina César, inseridos no clima da geração 70, revelam, entre as muitas características que marcaram a produção poética daquela época, as seguintes: atração pelo insólito do cotidiano; ênfase na experiência existencial num momento especialmente difícil da história e da política brasileira; volta à primeira pessoa, à escrita da paixão e do medo como caminho eficaz no sentido de romper o silêncio e a perplexidade que tomaram de assalto a produção cultural no início da década; o sentido de asfixia, experimentado no cotidiano, mas trabalhado com humor; valorização do coloquialismo; culto do instante, eixo fundamental da nova poesia e do binômio arte e vida. O binômio Arte e Vida era a consolidação de uma visão de mundo que valorizava o aqui e o agora: a ideia do presente, eliminando a ideia de futuro".

Isto posto, estamos aqui diante de um espetáculo que presta emocionante, divertido e comovente tributo a Ana Cristina César. Estruturado a partir de poemas e cartas da autora, "Jazz do coração" (Casa de Cultura Laura Alvim, Sala Rogério Cardoso) chega à cena com dramaturgia e direção assinadas por Delson Antunes, estando o elenco formado por Françoise Forton e Aline Peixoto, que dão vida a Ana Cristina, também conhecida como Ana C.

Talvez a mais importante e singular característica do presente espetáculo resida no fato de que não se procurou biografar a autora, mesclando aos poemas selecionados dados de sua vida e trajetória artística. Não, pelo contrário: aqui a poesia reina soberana e é através dela que podemos usufruir as dores e alegrias (assim como uma infinidade de outros sentimentos) de uma alma atormentada e lúdica, irônica e frágil, potente e inconformada, sempre em busca de algo que talvez nem ela mesma soubesse definir com clareza. Será que, a exemplo do Caligula, de Albert Camus, Ana Cristina César também desejava possuir a lua, ou seja, o impossível?

Para tal pergunta, evidentemente, não tenho resposta. Mas talvez a poeta padecesse de algo que defino como "dor de existir", uma espécie de buraco existencial, uma ferida que jamais cicatriza e cuja origem, não raro, não se consegue detectar com clareza. Seja como for, o que importa agora ressaltar é o magnífico trabalho dramatúrgico feito por Delson Antunes, que costura as poesias de tal forma que mesmo aqueles que jamais leram a poeta terão uma visão mais do que pertinente de sua obra e, consequentemente, de sua vida.

Com relação ao espetáculo, Delson Antunes impõe à cena uma dinâmica que, sem jamais cair em armadilhas recitativas, nos permite viajar por uma mente brilhante, viagem esta ressaltada pelas malas contendo roupas, objetos, lembranças e desejos. Cabe também enfatizar a teatralidade das cenas, muitas delas engrandecidas pelas maravilhosas composições criadas por Pedro Luís e cantadas de forma esplêndida pelas atrizes. Em resumo: um espetáculo impregnado de humanidade e poesia, e que merece ser prestigiado de forma incondicional pelo público carioca.

No tocante às atrizes, há muito tempo não vejo uma tal cumplicidade cênica como a exibida por Françoise Forton e Aline Peixoto. Ambas exibem notável capacidade de entrega, total apropriação das palavras que proferem e, como já dito, cantam de forma esplêndida - e aqui me parece importante mencionar o fato de que cantam não com vozes empostadas, como se pretendessem impressionar incautos com a extensão ou afinação das mesmas: Françoise e Aline cantam como talvez cantasse Ana Cristina César. 

Gostaria também de frisar que, se por um lado, o talento de Françoise não constitui novidade para mim, em contrapartida o de Aline me era desconhecido - como se não bastasse sua irretocável atuação, a jovem atriz de 22 anos ainda toca violão e clarinete. As duas performances, em minha opinião, estão entre as mais significativas da atual temporada.

Na equipe técnica, considero irrepreensíveis as contribuições de todos os profissionais envolvidos nesta imperdível empreitada teatral - Suely Mesquita (direção musical e preparação vocal), Jeane Terra (cenografia), Carol Lobato (figurinos), Luis Paulo Nenén (iluminação) e Adriana Bonfatti (direção de movimento).

JAZ DO CORAÇÃO - Texto de Ana Cristina César. Dramaturgia e direção de Delson Antunes. Com Françoise Forton e Aline Peixoto. Casa de Cultura Laura Alvim (Sala Rogério Cardoso). Terças e quartas, 21h.    








quinta-feira, 14 de agosto de 2014

4º FESTU Rio

De 21 a 31 de Agosto


O 4º FESTU Rio chegou e estamos esperando por um convidado especial: VOCÊ!

O Espaço Tom Jobim recebe mais uma vez o Festival de Teatro Universitário mais aguardado do Rio de Janeiro que ocorrerá do dia 21 ao dia 31 de agosto


O FESTU Rio, como de costume, trouxe novidades e essa é imperdível. A boa desse ano é a MOSTRA DE ESPETÁCULOS: Pela primeira vez resolvemos reunir talentos universitários, alguns deles já passaram pelo festival, e criamos uma Mostra com espetáculos imperdíveis, a preço popular, que é para não haver desculpas de não comparecer.


Mais de 250 inscrições, 5 estados envolvidos, 7 espetáculos, workshops e muita arte é o que impulsiona esta 4º edição.


Os 27 esquetes selecionados se apresentarão na Mostra Nacional nos dias 28, 29 e 30 de agosto a partir das 20:00h e no dia 31 a partir das 19:00h. Nove grupos serão escolhidos para a grande final no dia 31.

Do dia  21 ao dia 24, acontecerá a Mostra de Espetáculos composta por 7 peças. São elas:

“The Book of Mormom” 
“O que Acontece Quando a Coisa Acaba” 
“Isto não é uma guerra” 
“Memória inventada no sonho de alguém” 
“Jubaia, O Recanto das Cores” 
“Tempo Real” 
“Peça Ruim” 

Haverá, também, workshops entre os dias 25 e 31.
- 25 a 28 das 9h às 14h - “Oficina para o ator: A escuta” com a atriz e diretora Miwa Yanagizawa. 
- 30 e 31 das 10h às 16h - “O ator em ação: Encontrar – Perder” com a atriz Helena Varvaki.

Para mais informações, acesse o site: http://www.festurio.com.br

O Espaço Tom Jobim fica na Rua Jardim Botânico, nº1008.


Você não tem motivos para ficar de fora desta! Estamos te esperando!

Teatro/CRÍTICA

"Meu Deus!"

............................................................
Deus deprime, mas se trata



Lionel Fischer



Se Deus existe ou não, isso depende da crença pessoal de cada um. Mas supondo que exista e que, tendo feito o homem à sua imagem e semelhança, nada mais natural que eventualmente padeça de algumas agruras inerentes à espécie que criou, dentre elas a depressão. E estando deprimido, a quem Deus poderia recorrer? Trata-se de intrincada questão, não resta dúvida, mas aqui o Todo Poderoso encontra uma solução, digamos, prosaica e caseira: desce à Terra e marca uma consulta com uma psicóloga.

Eis, em resumo, o enredo de "Meu Deus!", da dramaturga israelense Anat Gov. Após cumprir bem-sucedida temporada de quatro meses em São Paulo, a peça acaba de entrar em cartaz no Teatro dos Quatro. Contando com adaptação de Jorge Schussheim, tradução de Eloísa Canton, versão de Célia Regina Forte e direção de Elias Andreato, a montagem traz no elenco Irene Ravache (Ana), Dan Stulbach (Deus) e Pedro Carvalho (Paulo) - este último filho de Ana e portador, ao que me pareceu, de autismo.

Muitos sustentam que uma boa ideia é determinante para o sucesso de qualquer empreendimento artístico. Particularmente, não acredito nisso, pois o que determina o êxito de qualquer projeto depende muito mais da forma como é desenvolvido do que da ideia que lhe deu origem. 

No presente caso, estamos diante de uma ótima ideia, que a autora desenvolve de forma brilhante e com irresistível humor até a metade do texto - há toda uma série de observações impagáveis, sendo a melhor delas o momento em que a psicóloga, após ser informada por Deus de que ele não tivera nem pai nem mãe, o informa que não poderá tê-lo como paciente, já que alguém que não tenha tido mãe "não pode fazer análise" (a frase talvez não seja exatamente essa, mas o sentido, sim).  

No entanto, em sua segunda metade, o texto assume conotações sérias, e os saborosos, divertidos e críticos diálogos são substituídos por graves considerações e questionamentos, a tal ponto que, em dado momento, Deus chega às lágrimas. Esta mudança de rumo, que a autora talvez tenha acreditado que conferiria maior consistência ao texto, me parece sua maior falha, pois fica realmente muito difícil embarcar nas emoções pretendidas da forma como foram materializadas.

Com relação ao espetáculo, Elias Andreato impõe à cena uma dinâmica simples, basicamente atrelada ao desempenho dos atores - postura sábia, sem dúvida, pois uma peça dessa natureza dispensa inócuas mirabolâncias formais. E sua atuação junto ao elenco pode ser considerada irrepreensível. Atores deslumbrantes, Irene Ravache (que a cada dia que passa consegue o prodígio de ficar ainda mais linda) e Dan Stulbach exibem ótima contracena e irretocável tempo de comédia, valorizando ao máximo o potencial dos personagens que interpretam, com Pedro Carvalho compondo de forma sensível o jovem autista Paulo.

Na equipe técnica, não posso avaliar a adaptação de Jorge Schussheim e a versão de Célia Regina Forte, pois não conheço o original. Mas é excelente a tradução de Eloísa Canton, sendo corretas as contribuições de Antonio Junior (cenário), Fause Haten (figurino), Wagner Freire (iluminação) e Jonatan Harold (trilha sonora).

MEU DEUS! - Texto de Anat Gov. Direção de Elias Andreato. Com Dan Stulbach e Irene Ravache. Teatro dos Quatro. Quinta e sexta, 21h30. Sábado às 19h e 21h30. Domingo às 18h30.









quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Teatro/CRÍTICA

"A quantas separações uma mulher é capaz de sobreviver?"

.................................................................................
Hilária e dolorosa reflexão sobre o amor



Lionel Fischer



"Ana é uma mulher de 33 anos, completamente destemperada, que faz da sua vida uma intensa procura por sua verdadeira alma gêmea. Após o fracasso de seu último relacionamento, ela decide tomar uma drástica decisão e grava um vídeo contando a sua louca e dolorosa trajetória amorosa. Ana transforma seus depoimentos em um hilário e caótico ritual. Tendo uma câmera como única testemunha, ela conta suas experiências do passado e as relaciona com o turbilhão de sentimentos que se apoderam de sua cabeça".

Extraído do release que me foi enviado, o trecho acima resume o contexto de "A quantas separações uma mulher é capaz de sobreviver?", que acaba de entrar em cartaz no Teatro O Tablado. De autoria de Renata Tobelem, que também interpreta a única personagem, a montagem tem direção assinada por Guida Vianna (codireção de Michel Bercovitch).

Ao longo dos últimos anos, muitas peças centradas em relações amorosas têm sido exibidas nos palcos cariocas, o que evidencia a pertinência e atualidade do tema. E hoje em dia, quando infindáveis aparatos tecnológicos dão a entender, com descarado cinismo, que só fica sozinho quem quer, me parece bastante oportuno refletir sobre o que nos acontece no real da vida a partir do momento em que uma relação é interrompida. 

Pode-se buscar consolo no Face, no Twiter, no Instagran? Sem dúvida. Mas me parece que, quando se trata de uma dor que nos dilacera a alma, a única possibilidade real de superação (e entendimento) da mesma só se torna viável para aquele se dispõe a um profundo mergulho em si mesmo. E é exatamente o que o presente texto propõe.

Mas tal mergulho, dada a sua óbvia natureza, pressupõe o aflorar de múltiplos e contraditórios sentimentos - ora predominam queixas e mágoas, ora sarcasmos ou desejos de vingança e assim por diante. No entanto, quase sempre se chega a um impasse, quando a pessoa se pergunta aonde foi que errou, como se necessariamente um erro tenha que ter sido cometido por uma das partes envolvidas. 

Nesse momento, temos a tendência de buscar um culpado, e este é quase sempre o outro. Mas essa postura, como todos sabemos, é completamente inútil. Tudo o que importa é avaliar o mais serenamente possível o que nos aconteceu - quando a serenidade substituir a angústia e a sensação de desamparo -, preservar o que foi bom e então partir para uma nova história.

No presente caso, tudo indica que a personagem decidiu que não viveria mais nenhuma história. Mas acredito que a opção pelo suicídio, ainda que aceitável dependendo das circunstâncias, aqui poderia ter sido evitada. E não digo isto por questões dramatúrgicas, já que a personagem evidencia brutal esgotamento em face de tudo que viveu. Ocorre, no entanto, que sua inteligência, humor, destempero e fragilidade me fizeram desejar um outro final. Mas a peça não foi escrita por mim, logo...

Bem escrito e contendo reflexões mais do que pertinentes sobre os temas abordados, a peça recebeu ótima versão cênica de Guida Vianna. Lançando mão de um desenho cênico que valoriza, em igual medida, tanto os aspectos mais engraçados do texto quanto aqueles em que o trágico predomina, a encenadora evidencia o mérito suplementar de haver extraído irretocável atuação de Renata Tobelem.

Atriz criada no Tablado e já com vasta experiência profissional, Renata Tobelem exibe não apenas notável capacidade de entrega, mas também uma vasta gama de recursos expressivos, que incluem poderosa voz, irrepreensível trabalho corporal e grande inteligência cênica, fruto de escolhas sempre imprevistas e criativas. Um belo trabalho, sem dúvida, que merece ser prestigiado de forma incondicional pelo público carioca.

Na equipe técnica, considero de excelente nível as contribuições de todos os profissionais envolvidos nesta oportuna empreitada teatral - Lídia Kosovski (cenografia), Sol Azulay (figurino), Felipe Lourenço (iluminação) e Letícia Carvalho (preparação vocal).

A QUANTAS SEPARAÇÕES UMA MULHER É CAPAZ DE SOBREVIVER? - Texto e atuação de Renata Tobelem. Direção de Guida Vianna. Teatro O Tablado. Sábado e domingo, 20h30.    

      

   





FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO DE PALCO & RUA ACONTECE DE 22  A 31 DE AGOSTO  NO RIO DE JANEIRO 

Em sua primeira Edição, o Festival ocupará palcos, ruas e praças de várias regiões da cidade a preços  populares e gratuitos.


Entre os dias 22 a 31 de agosto, vários espaços culturais como o Teatro Carlos Gomes, Sala Baden Powell, Centro Cultural Banco do Brasil, Galpão Gamboa, Parque das Ruínas, Teatro Ziembinsky, Teatro Gonzaguinha, Lonas Culturais, Ruas, Praças e Comunidades Pacificadas serão palcos  para espetáculos nacionais e internacionais durante a 1ª edição do FIT-RIO. O evento traz  13 espetáculos, sendo 10 nacionais e  três  internacionais inéditos no Brasil, somando 37 apresentações, além de três oficinas gratuitas, que acontecerão no CCBB. Todas as atrações têm preços populares: R$ 20,00 nos Teatros da Rede Municipal e Galpão Gamboa e R$ 10,00 no CCBB, além de algumas gratuitas, tanto no Castelinho do Flamengo, quanto no Parque das Ruínas. As intervenções urbanas em diversos bairros do Rio de Janeiro completam o evento. O FIT tem patrocínio da Prefeitura do Rio e Secretaria Municipal de Cultura, Realização da Cia 2 de Teatro, Produção da Delphos Produções e Direção Artística de Frederico Magella.

O FIT RIO é focado no próprio conceito de teatralidade e em como ele se desloca para as suas fronteiras, sejam geográficas ou culturais e entre as artes. O evento foi criado para não ser somente uma série de apresentações, mas sim uma fonte de reflexão sobre o teatro e a produção cultural atual. Estes conceitos orientaram a programação. Além disso, para os realizadores, a principal marca do festival é sua diretriz de formação, pesquisa e experimentação, como dimensões permanentes do processo de criação artística. O projeto do FIT foi construído sobre três bases: o intercâmbio do teatro com outras linguagens artísticas, o teatro em diálogo com o espaço urbano e a quebra de fronteiras - tendências da cultura contemporânea. Com este foco, o festival proporciona a colaboração multicultural entre os artistas. Segundo os idealizadores da versão 2014, o teatro deve ser também uma plataforma de debate sobre os usos do espaço público. O reflexo disto é a distribuição dos espetáculos, nas várias regiões da cidade, e a valorização da rua como espaço cênico.

O objetivo do festival é promover a troca entre artistas nacionais e estrangeiros, além de proporcionar ao público a oportunidade de conhecer trabalhos inéditos, como a companhia espanhola Cia El Punto! Danza Teatro, composta de três atores/bailarinos, sendo dois deles brasileiros  naturalizados espanhóis, que apresentará o espetáculo "Reconstrucción" no CCBB e Teatro Carlos Gomes, a peça alemã “Wunschkonzert, da Companhia Maura Morales no Galpão Gamboa e a peça Mujeres de Ojos Negros, da companhia argentina homônima, que também se apresentará no CCBB. “As companhias vão participar de workshops, vivenciando o conceito de residência artística durante todos os dias do festival”, explica o diretor artístico, Frederico Magella, que também destaca a importância do FIT em proporcionar um intercâmbio entre os grupos brasileiros e os festivais internacionais. Um dos destaques das companhias nacionais é o espetáculo Facínora, da Cia.2 de Teatro, do Rio de Janeiro, tragicomédia de humor negro que faz uma crítica cruel e dilacerante ao comportamento humano, “O Terceiro Sinal¨ e ¨Tarja Preta¨ do Grupo  BR116,  de São Paulo com atuação e direção de Bete Coelho na Sala Baden Powell e o espetáculo ¨Dias Felizes¨, de Belo Horizonte, que será apresentado no Teatro Carlos Gomes.


* programação sujeita a alterações

PROGRAMAÇÃO INTERNACIONAL:
Para as atrações internacionais, o FIT selecionou duas companhias da Europa (Alemanha e Espanha) e uma da América Latina (Argentina).

PROGRAMAÇÃO NACIONAL:
O festival traz seis espetáculos nacionais (sendo quatro inéditos no Rio) de três estados (São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina) e quatro locais.

LISTA DAS ATRAÇÕES:
INTERNACIONAIS

Espetáculo: “Reconstrucción”

Companhia: Cia El Punto! Danza Teatro (Sevilla/Espanha)

Sinopse: Descontruir e construir o corpo. Três como se fosse um. Uma viagem sensorial que o público pode apreciar. Um Trabalho com as emoções.
CCBB: dias 23, 24 e 25 agosto
Horário: 20h
Ingresso: R$10,00
Teatro Carlos Gomes: 28 e 29 agosto 
Horário: 19h
Ingresso: R$20,00
Classificação: 18 anos

Espetáculo: “Wunschkonzert”

Companhia: Maura Morales (Alemanha)

Sinopse: Inspirada em "Wunschkonzert", do dramaturgo alemão Franz Xaver Kroetz, a peça nos fala de uma mulher que perdeu seu discurso na solidão e monotonia da existência cotidiana. Através de coreografia e artifícios de movimento, a sensibilidade da cubana Maura Morales abre espaço para revelar as profundezas da alma humana. 
Galpão da Gamboa: 23, 24 e 25 de agosto
Horário: 19h
Ingresso: R$20,00
 Classificação: 16 anos

Espetáculo: Mujeres de Ojos Negros

Companhia: Argentina

Sinopse: Uma mãe austera delimita os passos e espaços de sua filha. Uma avó ausente, e que não está presente, intervém na vida das duas de forma irremediável. Três identidades como uma. Um dia... todos os dias. Uma campainha que não toca. “Mujeres de Ojos Negros” é um espetáculo que retrata de forma oprimente as relações feminino-familiares de uma família matriarcal a ponto de romper-se.
Teatro II do CCBB:  dias 28 e 29 de agosto
Horário: 20h
Ingresso: R$ 10,00
Classificação: Livre

NACIONAIS

Espetáculo: Facínora

Companhia: Cia 2 de Teatro  (Rio de Janeiro)

Sinopse: Tragicómedia de humor negro que faz uma crítica cruel e dilacerante ao comportamento humano.
Teatro II do CCBB: dias 30 e 31 de Agosto
Horário: 20h
Ingresso: R$10,00
Classificação: 18 anos

Espetáculo: Dias Felizes

Companhia: Rita Clemente (Belo Horizonte)

Sinopse: Inspirado na obra de Samuel Beckett, o espetáculo conta a história de uma mulher (Rita Clemente) que faz de tudo para tornar sua difícil rotina mais leve. O texto e a direção são da atriz.
Teatro Carlos Gomes: 30 e 31 de agosto
Horário: 19h
Ingressos: R$  20,00
Classificação: 14 anos
       
Espetáculo: A Obscena Senhora D

Companhia: Susan Damasceno (São Paulo)

Sinopse: Após a morte do marido, Hillé, a Senhora D, se recolhe ao vão da escada, em direção a própria morte. Em seu espaço diminuto, a Senhora D revive momentos da relação com o marido. Hillé chafurda os limites da sanidade ao confrontar-se com a velhice, o abandono, a ruína, o absurdo contido na sucessão dos dias e a própria morte.
Teatro Gonzaguinha: 29, 30 e 31 de agosto
Horário: 19h
Ingresso: R$ 20,00
Classificação: 16 anos

Espetáculo: Terceiro Sinal

Companhia: BR 116  (São Paulo)

Sinopse: Monólogo interpretado por Bete Coelho. Versão para o teatro do ensaio homônimo publicado em 2003, no Livro “Queda Livre”, escrito pelo jornalista e dramaturgo Otávio Frias Filho.
Teatro Baden Powell: 22 e 23 de agosto
Horário: 20h
Ingresso: R$20,00
Classificação: 14 anos
   
Espetáculo: O Homem da Tarja Preta

Companhia: BR116  (São Paulo)

Sinopse: Casado, dois filhos, Ricardo seria o típico pai de família de classe média não fosse por um detalhe: tem controvertidas fantasias sexuais que costuma exorcizar em frente à tela do computador, em salas de bate-papo. Protegido pelo anonimato da Internet, passa-se por mulher e mantém animadas conversas com homens. Em cena, o ator Ricardo Bittencourt encara, sob a provocativa direção da atriz Bete Coelho, o que o psicanalista e agora autor teatral chama de ‘a crise do macho’.
Teatro Baden Powell: 24 de agosto
Horário: 20h
Ingresso: R$ 20,00
 Classificação: 16 anos

Espetáculo: Ecos Temponeos

Companhia: Fulanos de Botas  (Rio de Janeiro)

Sinopse: Quatro artistas e três dramaturgias recortadas, fragmentadas e sobrepostas em linguagens variadas retratam na prática a dificuldade em, não apenas dedicarem suas carreiras à arte contemporânea, como sim, sustentarem suas vidas através da própria arte. No palco temos Alice, atriz formada, experiente e sem trabalho há meses; Estevão, o garoto que vive o sonho de sair da cidade natal do interior para tentar a gloriosa carreira de ator na cidade onde as coisas acontecem. E por fim, presenciamos a saga do misterioso Tófisme, um jovem atemporal, sua história transita entre o início da civilização e o fim do mundo.
Parque das Ruínas: 27 e 28 de agosto
Horário: 19h
Classificação: 10 anos
Entrada Franca

Espetáculo: Quarentena

Companhia: Grupo Trâmite (Florianópolis)

Sinopse: O texto traz uma reflexão existencialista sobre a condição humana através do discurso de um homem que se descobre a beira da morte. As angústias, os sofrimentos e a insegurança da personagem estabelecem o fio condutor da história que questiona valores e modelos do mundo atual.
Castelinho do Flamengo: 23 e 24 de agosto
Horário: 19h
Entrada franca

Espetáculo: Instantes Urbanos

Companhia: Fulanos de Bota  (Rio de Janeiro)

Sinopse: A superfície de um cruzamento urbano é marcada por automóveis, passantes, passagens. As intervenções do projeto transitam entre o cruzamento da arte com o fluxo contínuo da rua. O jogo é simples: interferir na lógica da cidade para propor instantes de teatralidade e poesia. A arte interage com a rua, não apenas nela se instaura e, dessa maneira, é possível oferecer ao outro um outro olhar referente à paisagem urbana, geografia e identidade cultural de sua sociedade.
Intervenção no trânsito bairro de Ipanema: 25 de agosto - Rua Farme da Amoedo com Av. Vieira Souto - horário: 15h
Intervenção no trânsito no Centro: 26 de agosto - Av. Presidente Vargas com Av. Rio Branco - horário: 15h
Intervenção no trânsito bairro da Tijuca: 29 de agosto - Rua Conde de Bonfim com Rua São Francisco Xavier - horário: 15h
Intervenção no trânsito bairro da Pavuna: 30 de agosto – Rua Cícero com Rua Sargento de Milícias - horário: 14h
Intervenção no trânsito bairro do Méier: 31 de agosto – Rua Ana Barbosa com Rua Dias da Cruz - horário: 12h
Classificação livre
Grátis

Espetáculo: Acontecimento em Vila Feliz

Companhia: Cia Pierrot Lunar  (Belo Horizonte)

Sinopse: Versão teatral da Cia. Pierrot Lunar para o conto homônimo de Aníbal Machado, que revela uma fictícia vila mineira, que se vê às voltas com a suposta gravidez de uma de suas personagens mais ilustres e controversas: Helena, jovem bonita e sedutora, amada pelos homens da cidade e invejada pelas mulheres, casa-se com um forasteiro, gerando intrigas e maledicências por parte dos moradores, transformando sua vida num caos irreversível. Utilizando o recurso da ironia, Aníbal Machado compõe, a partir de um microuniverso, um painel da vida em sociedade, explorando as singularidades da cultura mineira, seus tipos, hábitos, costumes e comportamento. O autor busca no local as controvérsias e singularidades das relações interpessoais e universais.
22 de agosto: Arena Carioca Dicró - Penha Circular – 16h30
23 de agosto: Praça Agripino Grieco na Rua Dias da Cruz esquina com a Rua Diaz Rabelo – Méier – 16h
24 de agosto: Parque das Ruínas – 16h
25 de agosto: Complexo da Maré próximo a Lona Cultural Herbert Vianna – 15h
26 de agosto: Arena Carioca Abelardo Barbosa (Guaratiba) – 15h
Classificação livre
Grátis
  
Espetáculo: Shuffle

Companhia: Teatro Voador não identificado (Rio de Janeiro)

Sinopse: Um homem ganha um iPod Shuffle (reprodutor de música cujo modelo só permite a execução aleatória das mesmas). O uso deste aparelho transforma suas ações em conseqüências diretas das emoções que lhe são causadas pelas músicas. A proposta de encenação parte dos mesmos mecanismos do aparelho para compor dramaturgia e cena. Para cada cena uma música-título. Estas são executadas de forma aleatória pelo próprio iPod durante as apresentações do espetáculo, cabendo ao ator lidar com a exposição da cena, que, a cada dia tem uma ordem diferente. Esta proposta sugere a reflexão sobre a relação homem x máquina na contemporaneidade, onde o homem permite que a tecnologia se torne uma necessidade e pretende expor, a partir de um olhar distanciado, as fragilidades dessa relação.
Parque das Ruínas: 30 e 31 de agosto
Horário: 19h
Ingresso: R$ 20,00
Teatro Ziembinsky: 28 de agosto
Horário: 20 horas
Ingresso: R$20,00
Classificação: 14 anos

Workshops - dia 25 – Teatro II do CCBB – Entrada Franca
El Punto – Sevilla/Espanha – dia 25 de agosto
Horário: 10h
Maura Morales – Dusseldorf/Alemanha
Horário: 13h
Gustavo Rizzotti - Rio de Janeiro
Horário: 17h
Capacidade: 20 pessoas
Livre
 ____________________________________________________________
Assessoria de imprensa:
Tels.: 24 2221 0987 / 9 9977 3646
         21 9 8892 1549
Luiz Menna Barreto luizmenna@uol.com.br
Tel: 21 9 9872-5534





4º FESTU Rio - WORKSHOPS - OFICINA "O ATOR EM AÇÃO: ENCONTRAR - PERDER" COM HELENA VARVAKI

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Teatro/CRÍTICA

"Vianninha conta o último combate do homem comum"

.........................................................................
Amarga reflexão sobre o capitalismo



Lionel Fischer



O que acontece quando um casal de idosos tem de deixar a casa em que moraram boa parte de suas vidas, em função de significativo aumento do preço do aluguel do imóvel? Se tem filhos, recorrem a eles: Souza vai morar com Cora em São Paulo e Lu fica com Jorge no Rio. Os outros filhos do casal são Neli (casada com um homem que, teoricamente, poderia ajudar, mas se recusa sob alegações não muito consistentes) e Beto (indivíduo cujo passatempo predileto é disparar sarcásticas e derrotistas ironias). Mas a solução é temporária e o casal de idosos acaba tendo que se separar: Souza vai morar com sua filha Mariazinha, em Brasília, e Lu é encaminhada para um asilo no Rio.

Eis, em resumo, o contexto em que se dá "Vianninha e o último combate do homem comum", em cartaz no Teatro Poeira. Já encenada em 1970 com o título "Em família", a peça de Oduvaldo Vianna Filho chega à cena com direção de Aderbal Freire-Filho e elenco formado por Ana Barroso (Anita, mulher de Jorge), Ana Velloso (Cora), Luisa Arraes (Suzana, filha de Anita), Beth Lamas (Neli), Cândido Damm (Souza), Gilray Coutinho (Afonsinho, aposentado que se torna amigo de Souza), Isio Ghelman (Jorge), Kadu Garcia (Mestre de Cerimônias, Aparecida, Patrão e Médico), Paulo Giardini (Beto) e Vera Novello (Lu).

Dramaturgo sempre focado em questões sociais e políticas, aqui Vianninha nos apresenta um quadro amargo: após trabalhar dignamente a vida inteira e conseguir criar seus filhos, o funcionário público Souza simplesmente não tem mais condições de continuar morando em sua casa. O aluguel estaria defasado? Talvez. Poderia ser tentado um reajuste minimamente compatível? Certamente. Mas os herdeiros do falecido proprietário do imóvel desconhecem leis humanas, e só priorizam as do mercado. Não é isso que o capitalismo nos ensina? Pois bem: se não podem pagar o que é exigido, que os velhos vão para onde puderem. E se não tiverem alguém que os acolha, a rua pode ser uma excelente opção.

Mas há outra questão que merece ser destacada: a difícil convivência entre pais e filhos após anos de afastamento. Se os filhos de Souza e Lu fossem ricos, ou os hospedariam em um quarto qualquer de suas mansões ou, o que é mais provável, os mandariam para um asilo de luxo, que só visitariam quando assediados pelo sentimento de culpa. Mas como pertencem à classe média baixa (ou próximo disto), tudo vira problema: o espaço é exíguo, a comida não é farta, os horários se atropelam e a mútua paciência se esgota rapidamente. O que fazer? Aguardar o inevitável, como o demonstra este texto maravilhoso, estruturado em cima de sólidos personagens e de uma ação de avassaladora dimensão trágica.

Com relação ao espetáculo, Aderbal Freire-Filho talvez seja nosso encenador mais preparado para extrair o máximo desta obra implacável, não apenas por seu enorme talento, mas também por sua mais do que conhecida solidariedade para com aqueles que dá vida só conhecem seu lado mais amargo. Assim, em nada me surpreende que tenha conseguido materializar na cena, de forma irretocável, todos os conflitos e contradições de um sistema que só atende as necessidades dos detentores do poder, cabendo aos demais, quando muito, reles migalhas de uma festa para a qual jamais serão convidados. 

No tocante ao elenco, quase sempre detalho minhas opiniões sobre cada intérprete. Mas aqui, em face da força do conjunto, opto por estender a todos minha admiração, respeito e gratidão pela maravilhosa noite que me proporcionaram. E torço para que este espetáculo tão significativo fique muito tempo em cartaz, pois andam escassas as montagens cariocas capazes de produzir uma reflexão tão pertinente sobre a realidade de nosso país.

Na equipe técnica, destaco com o mesmo entusiasmo as preciosas colaborações de todos os profissionais envolvidos nesta mais do que oportuna empreitada teatral - Fernando Mello da Costa (cenário), Ney Madeira e Dani Vidal (figurino), Tato Taborda (direção musical e trilha sonora), Paulo César Medeiros (iluminação) e Cacau Gondomar (programação visual).

VIANNINHA CONTA O ÚLTIMO COMBATE DO HOMEM COMUM - Texto de Oduvaldo Vianna Filho. Direção de Aderbal Freire-Filho. Com Ana Barroso, Ana Velloso, Luisa Arraes, Beth Lamas, Cândido Damm, Gilray Coutinho, Isio Ghelman, Kadu Garcia, Paulo Giardini e Vera Novello. Teatro Poeira. Quinta a sábado, 21h. Domingo, 19h.