quinta-feira, 25 de maio de 2017

Teatro/CRÍTICA

"Minha vida em Marte"

..............................................................................
Olhar acurado sobre o universo dos afetos


Lionel Fischer


Em "Os homens são de Marte...e é pra lá que eu vou", Fernanda procurava desesperadamente encontrar o grande amor. Agora a personagem está de volta, só que casada há oito anos com Tom e mãe de Joana, de cinco anos. Mas o tão almejado objetivo passa por uma crise: Fernanda não está conseguindo lidar com algumas questões que inevitavelmente surgem em uma longa relação. E então recorre à terapia de grupo, onde expõe variados assuntos de sua intimidade, ao que parece ainda acreditando que os problemas podem ser sanados.

Eis, em resumo, o contexto de "Minha vida em Marte", de autoria de Mônica Martelli, em cartaz no Teatro dos Quatro. A atriz volta a encarnar a personagem, estando a direção do espetáculo a cargo de Susana Garcia.

Como todos sabemos, da mesma forma que é impossível levar um barco sem temporais, só alguém possuidor de extrema ingenuidade pode acreditar que um longo relacionamento jamais sofrerá qualquer abalo. No entanto, há abalos e abalos. Alguns superáveis, outros não. Às vezes o barco pode seguir seu curso, ainda que meio avariado. Mas às vezes o naufrágio é inevitável. 

E se isso acontece, o que se pode fazer para retomar o leme da própria vida? Como seguir adiante quando a ilusão de que o amor seria eterno já se desfez completamente? Como evitar a sensação de fracasso, mesmo que o casamento tenha tido ótimos momentos? Como banir a falsa impressão de que o outro (a) levou consigo o que de melhor possuíamos e que agora estamos vazios, e portanto incapazes de gerar interesse? 

Desconheço a trajetória amorosa de Mônica Martelli. Mas acredito que muito do que viveu esteja presente neste delicioso texto, afora passagens certamente inventadas. Mas o que importa ressaltar é a sua capacidade de mergulhar profundamente no universo dos afetos, ora priorizando o humor, ora permitindo que a dramaticidade prevaleça. 

Em dados momentos, Fernanda exibe um furor em tudo semelhante ao das grandes tempestades. Em outras passagens, a carência e a desproteção a convertem em uma adolescente atribulada e atônita. E é essa permanente alternância de climas emocionais que tornam Fernanda tão humana, tão próxima de todos nós. E se porventura alguém não se identificar com o que é exibido, certamente é porque nunca foi ou não está casado...

Com relação ao espetáculo, Susana Garcia impõe à cena uma dinâmica em total sintonia com o material dramatúrgico. Valendo-se de marcações criativas e imprevistas, a encenadora contribui de forma decisiva para a máxima valorização de todas as questões contidas no texto. Além disso, exibe o mérito suplementar de haver contribuído para a ótima performance da atriz. Possuidora de grande carisma, forte presença cênica, impecável domínio vocal e corporal, e dotada de um tempo de comédia realmente admirável, Mônica Martelli é uma atriz completa, e vê-la em cena constitui um verdadeiro privilégio. 

Na equipe técnica, considero irretocáveis as contribuições de todos os profissionais envolvidos nesta divertida e emocionante empreitada teatral - Flávio Graff (cenografia), Marcella Virzi 
(figurino), Maneco Quinderé (iluminação) e Marcia Rubin (direção de movimento).

MINHA VIDA EM MARTE - Texto e interpretação de Mônica Martelli. Direção de Susana Garcia. Teatro dos Quatro. Sexta e sábado, 21h. Domingo, 20h.







   

4 comentários:

  1. Texto e interpretação maravilhosos!!!!!! Nota 10000

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sonia amiga,

      estamos de pleno acordo.
      beijos,
      eu

      Excluir
  2. Que texto delicado, gente!

    Obrigada por isso, Lionel.

    Acompanho suas críticas há algum tempo (durante o ano de 2015 e parte de 2016 fui colunista de crítica teatral e era uma inspiração) e dessa vez gostaria convidá-lo para prestigiar o espetáculo que faço parte com seu olhar e suas palavras (cujo nome é "Eu vou aparecer bem no meio do seu sonho", um site-specific itinerante pelas ruínas do prédio que abrigava a antiga biblioteca popular de Santa Teresa).

    Tem algum e-mail que possa entrar em contato compartilhando informações sobre a peça?

    Agradeço desde já, obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga,

      te agradeço as palavras tão gentis. meu e-mail é lionelfischer54@hotmail.com

      beijos,

      eu

      Excluir