quarta-feira, 11 de setembro de 2013

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS ENTRE CONSTANTIN STANISLAVSKI (TEATRO) E LEE STRASBERG (ACTORS STUDIO)

Por Loverci Ferreira e Priscylla Biasi

Constantin Stanislavski está relacionado a vários outros teóricos, alguns muito a frente de seu tempo em busca de uma atuação natural e realista, que partisse do interior de cada ator na atuação para teatro.

Seus métodos serviram como base para muitas escolas e para fundamentar as teorias naturalistas e realistas que surgiram em seu tempo e que persistem em programas de TV, novelas e filmes em geral até os dias de hoje.

Após sua morte seu método continua vivo, ajudando na busca de muitos atores por conhecimento pessoal e cênico e inspirando novos teóricos como o diretor do Actors Studio, Lee Strasberg, que também colocou em um livro suas técnicas inspiradas no mestre.

Constantin Stanislavski

“O ator deve trabalhar a vida inteira, cultivar seu espírito,
treinar sistematicamente seus dons, desenvolver seu caráter;
Jamais deverá se desesperar e nunca renunciar
à este objetivo primordial:
amar sua arte com todas as forças e amá-la sem egoísmo” (1)

Constantin Stanislavski

Constantin Sergeyevich Stanislavsky nasceu em Moscou em 1863 e sua arte teve mais impacto no processo de atuação teatral durante o século XX do que qualquer outro teórico, diretor ou ator jamais conseguiu.

Sua jornada teve início aos quatorze anos, quando se juntou a um grupo de teatro organizado pela própria família como ator, mas sua primeira aparição nos palcos foi aos sete anos de idade e sua herança genética ajudou, ele é neto de uma conhecida atriz francesa, Marie Valery. Nos últimos anos do século XIX já dirigia e produzia algumas peças.

Aos vinte e cinco anos foi o criador da Sociedade de Arte e Literatura, onde começou a desenvolver métodos de interpretação, direção e performance, o quedez anos mais tarde, em companhia de Vladimir Nemirovich-Danchenko, estabeleceu o Teatro de Arte de Moscou, onde aprimorou seus métodos ensinando e dirigindo peças.

Em 1912, já com quarenta e nove anos de idade, criou o Primeiro Estúdio, junto com Leopold Sulerzhitsky.

Durante sua jornada no desenvolvimento do método que ficou conhecido como Método Stanislavski, trabalhou com grandes nomes da literatura como Anton Chekhov e Tolstoy.

Suas viagens pelo mundo proporcionaram a divulgação do método e sua fixação como marco primordial do realismo, influenciando vários outros teóricos depois dele como Michael Chekhov, ex aluno do Teatro de Arte de Moscou, Bertold Brecht e escolas contemporâneas como o Actors Studio, mesmo depois de sua morte.

Stanislavski trabalhou até os últimos dias de sua vida, em 1938, defendendo sua arte e aplicando seus conhecimentos nas mais variadas áreas como a ópera.

Sua obra ficou imortalizada em cinco livros: “A Preparação do Ator”, “A Criação da Personagem”, “A Criação de um Papel”, “Minha Vida na Arte” e “Manual do Ator”.

O Método Stanislavski

“Antes ame a arte em você do que você na arte.” (2)

Constantin Stanislavski
Para Constantin Stanislavski o teatro deveria causar impacto e influenciar a vida dos espectadores de uma forma realista e natural, o que o levou a criação de um método para atores descobrirem seus papéis e se descobrirem neles com naturalidade e paixão.

Sua preocupação fundamental foi lutar contra um estilo de atuação grandiosa e exagerada, baseado no clichê, no esteriótipo repetitivo e sem emoção que imperava em sua época. Propôs um modelo de ator honesto consigo mesmo e com sua arte, elevando o ator à posição de criador.

No sistema de Stanislavski o ator não deve demonstrar o que não sente em cena. Deve buscar dentro de si próprio o sentimento e exteriorizá-lo de forma verdadeira, natural. É ser sincero com a ficção.

O método está estruturado em duas partes, o trabalho do ator sobre si mesmo, evocando uma memória emocional, e o trabalho do ator sobre seu papel. Na primeira parte o ator busca dentro de si a personagem e a encarna, na segunda dá ênfase em seu texto.

Procurou na psicologia e na fisiologia fundamentos que o ajudassem a entender a condição humana.

Alguns conceitos fundamentais foram estabelecidos por ele. O ator deve estar relaxado, isto se aprende de forma mecânica, através de exercícios, para iniciar seu trabalho criativo. Esta deve ser unida a uma grande concentração em cena.

O ator precisa observar ao seu redor e o decorrer de cada cena, ter consciência de cada movimento e de cada peça ao seu redor e tratá-la com o devido respeito em cena.

Na cena sempre deve se desenvolver alguma ação, não necessariamente física, pode ser interior, mas toda ação deve ser lógica e justificada. O ator deve ter imaginação, afinal, é ele quem está criando sua personagem a partir de algo.

Outro aspecto importante do método Stanislavski é a utilização da memória emotiva. Para tanto ele se embasou nas teorias do francês Ribot, fazendo com que o ator procure sentimentos em algo que já viveu, que se lembre de suas próprias experiências, estabelecendo uma conexão com a personagem, nunca se desligando dela.

Em suas primeiras investigações, Stanislavski estabeleceu como diretor em seu trabalho com os atores a leitura de textos em conjunto antes de iniciar um trabalho a fim de encontrar em conjunto a linha de pensamento das personagens do texto, uma linha de imagens, da percepção sensorial, uma linha de ação, o que faria cada personagem em relação ao que estava no texto e uma linha de emoção implícita nas personagens.

Mais tarde este método de trabalho foi incrementado com o uso da improvisação teatral antes da análise de texto para a busca da personagem.

Também desenvolveu o método das ações físicas, que leva a busca da emoção através de algumas perguntas e respostas simples, como a ação é gerada de um conflito que pode ser emocional, de poder externo, físico... Toda personagem tem um objetivo e o ator deve analisar o que quer a personagem, que leva por fim a motivação.

Após resolvidas estas questões o ator pode passar para a fase de improvisação na busca da personagem.

Talvez a principal chave para o ator dentro do método de Stanislavski seja amar seu papel, identificar-se com ele, querer incorporá-lo.

O Teatro de Artes de Moscou ensinava o ator a manter seu corpo, conhece-lo e trabalhar da melhor maneira possível, mantê-lo saudável e funcionando com aulas de esgrima, balé, canto e dança, além de aulas de improvisação, interpretação e caracterização, esta última surgindo após se estabelecer os valores certos da personagem.

Lee Strasberg

“Se não podemos ver a possibilidade de grandeza
como podemos sonhar com isso?” (3)

Lee Strasberg

Lee Strasberg nasceu em 17 de novembro de 1901 em Budanov, Austria-Hungria. Começou a se preparar para os palcos com Richard Boleslavski e Maria Ouspenskaya no American Laboratory Theather em Nova York.

Começou a atuar em 1924 como Primeiro Soldado em “Processional”, uma produção do Theatre Guild para a qual também serviu de diretor de cena.

Em 1931 Strasberg ajudou a fundar o agora legendário Group Theatre, onde dirigiu produções como "The House of Connelly", "The Fifth Column, and Clifford Odets”, de Hammingway.

Foi em 1949 que se uniu ao Actors Studio, em Nova York, tornando-se diretor artístico da escola em 1950. Strasberg ensinou mais de duas gerações de diretores, atores e roteiristas em seu período no Actors Studio, assim como grandes nomes do cinema americano.

Entre suas contribuições na Europa estão a condução do Seminário Internacional de Atuação no Festival de Spoleto em 1962, representou o teatro americano no centenário de Stanislavski em Moscou em 1963 e deu uma palestra sobre o método de Stanislavski em Paris em 1967.

Nos Estados Unidos foi professor em Harvard, Brown, Yale, UCLA, Tulane e universidades de Northwestern e Minessota. E por causa da sua influência no Actors Studio e o efeito de sua carreira pelo mundo, foi nomeado Doutor honorário de belas artes pela Universidade da Flórida.

Em 1966 expandiu o Actors Studio até Los Angeles e três anos depois criou o The Lee Strasberg Theatre Institute, em Nova York, com o objetivo de que sua arte e seus métodos atingissem um número maior de pessoas.

Strasberg atuou em alguns filmes como um passa tempo, mas sempre enfatizou que o ator hollywoodiano precisa se preparar cada dia mais pela falta de ensaios e que um ator se constroí na prática e nos exercícios.

Assim, Strasberg desenvolveu seu próprio método de atuação, embasado no teórico de teatro Stanislavski.

O Método de Strasberg

“A arte é maior do que a vida”

Lee Strasberg

Lee Strasberg criou seu método de ensino com base no mestre russo Stanislavski e seu seguidor Vajtangov e o aplicou no Actors Studio, de Nova York, o qual dirigiu por um grande tempo.

Strasberg se aprofundou nas buscas de Stanislavski por emoções reais, evitando que o ator conte apenas com a sua intuição ou a inspiração do momento.

Definiu a atuação como a capacidade de reagir ante estímulos imaginários e manifestou que os preceitos essenciais de um ator são inteligência extraordinária e sensibilidade fora do comum para entender a alma humana.

Usa a memória emotiva e a improvisação como métodos para que o ator consiga a realidade da sua personagem, desempenhando bem seu papel.

Para Strasberg, a improvisação serve de meio de conhecimento do ator, através de uma série de exercícios destinados a explorar os sentimentos do ator e da personagem e garantir que a atuação seja espontânea e não mecânica. Aqui também o ator se torna criador em companhia ao autor que escreveu o texto.

Também se utiliza da memória emotiva para dar verdade aos sentimentos dos atores através de exercícios que não tem por objetivo a busca de uma cronologia, apenas uma situação e um sentimento que possa ser usado novamente em um determinado momento na carreira do ator. Um segundo objetivo dos exercícios é obter controle sobre as próprias emoções.

A formação do ator por Strasberg consiste em três etapas, sendo a primeira o trabalho do ator sobre si mesmo, buscando controle vocal, corporal e emocional, experimentando sensações de forma intensa.

Segunda fase é o trabalho de relação com os outros e a ação desenvolvida. Nesta etapa se usa muito da memória emotiva e o ator começa sua caracterização. Última etapa da preparação é o trabalho com as cenas a serem executadas pelo ator utilizando todo o conhecimento adquirido com os exercícios anteriores.

Seu método causou grande polêmica por ser apontado eficiente apenas para a atuação naturalista e que o recurso da memória emotiva serve somente ao narcisismo. É acusado de levar o ator ao manuseio de suas lembranças, desgastando as mesmas.

Porém, seu método serviu de formação para grandes atores como Marlon Brando, Al Pacino, Anne Bancroft, Dustin Hoffman, entre outros.

Inclusive muitos teóricos acreditam que o filme de 1951 “Um bonde chamado desejo” (Streetcar named desire), dirigido por Elias Kazan com Vivien Leigh e Marlon Brando, baseado na peça teatral escrita em 1947 por Tennessee Williams, seja considerado o primeiro filme naturalista realizado.


Conclusão

O trabalho de Constantin Stanislavski foi revolucionário para seu tempo, sendo até hoje a maior fonte de estudo para atores, diretores e pessoas envolvidas com o teatro. Sua obra não só abriu as portas para a criação de novos métodos, como se tornou à base para tanto.

Lee Strasberg aprendeu com Stanislavski e passou sua vida ensinando como o mestre russo. Segundo Strasberg, foi uma visita ao Teatro de Artes de Moscou que despertou nele a centelha que o fez ingressar na arte, portanto nada mais justo do que passar adiante o fogo desta centelha ensinando no Actors Studio e em seu Instituto.

Para perceber essas mudanças na forma de se interpretar, vale a pena ver filmes anteriores ao ano de 1951, e observar atuações “grandiosas”, mas nada naturais, como em “O crepúsculo dos deuses” (Sunset Boulevard) de 1950, por exemplo.

Não podemos esquecer também que os filmes inicialmente eram mudos, o que condicionou os atores a interpretações “forçadas”, para se entender um pouco mais dessa passagem da história do cinema “Cantando na chuva” (Singin in the rain) de 1952, é uma boa opção para se ver.

(1) Citação retirada do livro “A Criação da Personagem”.
(2) Citação retirada do livro “A Criação da Personagem”
(3) citação retirada do site da Internethttp://www.leestrasberg.com/about/quotes.html.


Nenhum comentário:

Postar um comentário